Sidebar

26
Ter, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
Falando durante a reunião da direção nacional da Central, nesta terça-feira (8-7) em São Paulo, Cardoso contou que o forte lobby patronal na Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara Federal para derrotar a mensagem presidencial encaminhada por Lula propondo a ratificação da Convenção 158, acabou surgindo efeito. No último dia 2, a comissão aprovou por 20 votos a 1 parecer contrário à iniciativa elaborado pelo deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

Subestimação

Representantes do patronato compareceram em peso na reunião da comissão, em contraste com a representação dos trabalhadores e trabalhadoras. O movimento sindical não concedeu a devida importância ao tema, subestimando sua relevância, segundo o dirigente da CTB.

A convenção tem extraordinária importância para o movimento sindical, pois é um passo fundamental para fortalecer a organização de base dos trabalhadores e trabalhadoras ao regular o término das relações de trabalho e restringir as possibilidades de demissão. Graças à liberdade absoluta que o capital desfruta de demitir, o Brasil possui hoje uma das mais altas taxas de rotatividade da mão-de-obra no mundo.

Mobilização

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara Federal decidirá numa próxima reunião se pede o arquivamento da mensagem, como advogam os partidários do lobby patronal, ou se a encaminham para apreciação de outras comissões. “É preciso estar atento aos desdobramentos desta luta e ampliar a mobilização em defesa da Convenção 158”, alerta Joílson Cardoso.

Ele também criticou duramente o deputado Júlio Delgado, cujo relatório traduz com muita fidelidade os pontos de vistas dos capitalistas. “Ele não seguiu a orientação do PSB, que reiterou em várias instâncias uma posição favorável à Convenção 158 da OIT”, assegura o sindicalista, que também é secretário sindical nacional do PSB e entrou com representação no partido contra Delgado e dois outros parlamentares socialistas (Marcondes Gadelha, da Paraíba e o carioca Eduardo Lopes) que votaram contra os interesses da classe trabalhadora.   

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.