Sidebar

18
Ter, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A comparação entre os anos de 2014 e 2015, do governo da ex-presidenta Dilma Rousseff, com os anos de 2017 e 2018, depois do impeachment da petista, mostram que Temer investiu quase a metade nas estatais brasileiras.

De acordo como o 6º boletim das estatais federais do Ministério do Planejamento, em 2014 e 2015, a ex-presidenta Dilma investiu R$ 40,3 bilhões (R$ 21,7 bilhões – 1,6% do PIB –, em 2014; e R$ 18,6 bilhões – 1,3% do PIB –, em 2015). Já Temer, investiu R$ 11,2 bilhões, em 2017 – 0,7% do PIB; e R$ 9,8 bilhões, em 2018 – 0,6% do PIB.

“Só há uma justificativa para a falta de investimentos nas estatais: a privatização a qualquer custo. Deixam de investir para sucatear o patrimônio público e assim vender mais barato”, critica a professora sênior da Faculdade de Economia da USP, Leda Paulani, que também é professora visitante da UFABC, em entrevista ao Portal da CUT.

“Esse governo não vê nenhum papel para o Estado. Eles querem um programa liberal privatista, que começou na era FHC, foi freado nos governos do Lula e Dilma, do PT, e agora é retomado depois do golpe”. 

A coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa Econômica Federal (CEF), Rita Serrano, concorda e lembra que, nos governos Lula e Dilma as estatais foram utilizadas para promover o desenvolvimento do país.

“Com a política de desmonte, a Caixa já não é a líder de financiamento habitacional e o programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ foi drasticamente reduzido”, diz Rita.

No governo Temer, a Petrobras recebeu o menor investimento nos últimos 19 anos: R$ 8,6 bilhões no 1º trimestre deste ano. “Quem ganha é o capital privado e as grandes multinacionais como a Shell, que compram o patrimônio público brasileiro e determinam as regras do jogo”, diz Rita.

Já Eletrobras recebeu 5,2% do total dos investimentos - R$ 518 milhões – este ano. Para Felipe Chaves, engenheiro de Furnas e diretor da Associação dos Empregados de Furnas (Asef), esses índices não são nenhuma surpresa tendo em vista que o atual governo tem trabalhado para que as estatais percam relevância e possam ter seus ativos vendidos e sejam privatizadas.

Fonte: Diap

0
0
0
s2sdefault