Sidebar

21
Qui, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

NOTA DA FUNDAÇÃO MAURÍCIO GRABOIS-MINAS SOBRE A INVASÃO DE SUA ATIVIDADE POR PROVOCADORES FASCISTAS

A palestra organizada pela Fundação Mauricio Grabois (FMG) em BH nesta segunda, 06, intitulada “O Brasil tem saída – caminhos para a superação da crise brasileira” proferida por Renato Rabelo, presidente nacional da FMG e ex-presidente do PCdoB, com a presença de mais de 160 pessoas, foi invadida e tumultuada por provocadores fascistas.

No momento das intervenções dos presentes, um homem pediu a palavra, que foi concedida, e começou a fazer provocações ao auditório exibindo sua camiseta, até então oculta, com a imagem do apologista do autoritarismo e de torturadores, Jair Bolsonaro. Imediatamente, outros homens e duas mulheres também infiltrados na palestra passaram a realizar as mesmas provocações e a gravar ilegalmente a imagens dos presentes. Todos os invasores foram convidados a se retirarem pacificamente. Contudo, não atenderam ao pedido e continuaram com as provocações. Nesse momento iniciou-se um grande tumulto até que os invasores foram retirados. A atividade retomou seu curso em seguida.

O ressurgimento das ações dos grupos de extrema direita em espaços de debates e lutas democráticas é um sintoma do grau da barbárie que as classes dominantes brasileiras e seus braços ideológicos tem levado o país com sua avalanche reacionária. A tática de desmoralização da Política, a partidarização do Poder Judiciário e a legitimação do crescimento do Estado de Exceção no interior do Estado de Direito feita pela mídia burguesa servem como carta de autorização para a ação fascista.

A tarefa urgente e irrevogável do campo democrático nesse tempo é organizar a Resistência. O golpe ainda está em curso, o Estado de Exceção ainda avança. Para sustentar o governo golpista, o capital financeiro e o Imperialismo exigem a destruição de todas as sementes de um projeto nacional de desenvolvimento plantadas na última década. Mas, a cada dia que se agrava a crise econômica, mais parcelas das classes populares são atingidas. Aos poucos esses setores se levantarão. Por isso, não há tempo a perder. Para barrar e fazer retroceder o fascismo e a ofensiva neoliberal será preciso que todos defensores da Democracia, das riquezas da nação e dos direitos do povo se unam.

Venceremos!

Belo Horizonte, 06 de fevereiro de 2017

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.