Sidebar

20
Dom, Jan

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Nesta terça-feira (12) a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) completa 10 anos de luta em defesa da classe trabalhadora e de seus direitos. Chega ao décimo aniversário enfrentando a mais difícil conjuntura política, social e econômica dos últimos 14 anos no Brasil. Atualmente, a CTB representa os direitos de seis milhões de trabalhadores, de 1.112 entidades filiadas em todo o país e é a central sindical que mais cresce, com 10,38% de representatividade, segundo a última aferição do Ministério do Trabalho.

Atualmente, a CTB representa os direitos de seis milhões de trabalhadores, de 1.112 entidades filiadas em todo o país e é a central sindical que mais cresce, com 10,38% de representatividade, segundo a última aferição do Ministério do Trabalho.

“A CTB tem uma compreensão de que a construção unitária das centrais sindicais é um fator estratégico para o fortalecimento da classe trabalhadora. Foi exatamente o esforço de construção desta unidade que possibilitou, a própria legalização das centrais, que o presidente Lula homologou através de um projeto, em 2008, bem como a conquista da política de valorização do salário mínimo, uma das mais importantes para a classe trabalhadora e que atende a 46 milhões de brasileiros”, diz.

Com esta convicção, a central vem enfrentando desde o final de 2014 a crise política e buscando, com muita mobilização, barrar o retrocesso e a retirada de direitos trabalhistas, que já coloca em risco conquistas como a política de valorização do mínimo. Este foi um ano de intensas atividades da central em todas as frentes, com a presença dos dirigentes cetebistas no debate público e a promoção de seminários sobre a previdência, terceirização, conjuntura e os caminhos de resistência, saúde pública, cursos de formação e atos públicos coordenados em todo o país. A luta contra a precarização das condições de trabalho proporcionou um protagonismo ainda maior à CTB, que junto às outras centrais, vem apontando alternativas ao crescimento do país, buscando dialogar com setores empresariais e manter canais abertos com o governo. Visando sempre preservar direitos e garantir os benefícios já assegurados à classe trabalhadora.

A busca constante de diálogo é certamente uma marca da atual gestão da CTB, que parte para o seu décimo ano de vida com o desafio de preservar direitos que andam seriamente ameaçados pelo governo ilegítimo de Michel Temer. "O movimento sindical precisa ter clareza de seu papel frente a estes desafios, à conjuntura complexa e às adversidades.  O caminho é resistir a todo custo. Nenhum direito a menos", diz Araújo. Para celebrar este momento desafiador para toda a classe trabalhadora brasileira, a CTB lembra as palavras do eterno comandante Fidel Castro: "Não nos enganemos achando que adiante tudo será fácil; talvez tudo seja mais difícil". E para 2017, a mensagem é resistir a todo custo. Vida longa à CTB!

CTB, 10 ANOS

Sob a marca da luta e da resistência, a CTB completa hoje, 12 de dezembro, dez anos de história. Celebramos esta data como um ato político em defesa do movimento sindical e da democracia. A CTB é uma central jovem, atuante e combativa, que teve grande protagonismo na luta pela democracia e contra o golpe. Uma central de luta, que esteve à frente dos atos, paralisações e greves contra a aprovação de medidas que penalizam a classe trabalhadora e uma aliada imprescindível e incansável das forças do campo democrático deste país.

Atualmente, a CTB representa os direitos de dez milhões de trabalhadores, de 1.112 entidades filiadas em todo o país e é a central sindical que mais cresce, com 10,38% de representatividade, segundo a última aferição do Ministério do Trabalho.

Vida longa!

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.