Sidebar

18
Ter, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Na manhã desta terça-feira (23), trabalhadores da Dambroz Implementos Rodoviários, ao lado do Sindicato dos Metalúrgicos, paralisaram a empresa. O motivo: não pagamento das verbas rescisórias dos 56 funcionários demitidos em 10 de dezembro de 2017. Desde então, o Sindicato busca o pagamento desses direitos trabalhistas. Até o momento, com a intervenção da entidade, os trabalhadores receberam a segunda parcela do décimo terceiro e R$2.200.

“Já é de conhecimento das empresas que o Sindicato não parcela pagamento de verbas rescisórias. O trabalhador não quer migalhas, ele quer o que é seu de direito. Vale ressaltar que a empresa não deposita FGTS dos trabalhadores há cinco anos. Não aceitamos e não aprovamos qualquer tipo de parcelamento. Direitos não podem ser parcelados, destaca Claudecir Monsani, presidente do Sindicato.

A entidade entrou com ações individuais desses trabalhadores na Justiça para cobrar as verbas rescisórias, a liberação do Fundo de Garantia e do seguro desemprego. “A reforma trabalhista entrou em vigor para dar mais privilégios para os empresários e dificultar ainda mais a vida dos trabalhadores. Mas, o Sindicato não vai deixar nenhum trabalhador sozinho. Vamos continuar lutando junto com o trabalhador. Vamos resistir”, afirmou o presidente do Sindicato, Claudecir Monsani.

Reintegração

Quatro trabalhadores com garantia de emprego como cipeiros, estabilidade pré-aposentadoria e acidente de trabalhando também foram demitidos. Por intermédio do Sindicato, esses trabalhadores foram reintegrados.

Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul - Foto: Beto Osorio

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.