Sidebar

26
Ter, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Com o objetivo de conquistar um pedaço de terra para produzir e morar, mais de 70 famílias ocuparam  uma área improdutiva em Ipioca, localizada no interior de Alagoas, Maceió. Organizado pelo Movimento de Luta pela Terra (MLT),  o grupo montou acampamento às margens da rodovia AL-101 Sul, na abandonada Fazenda Santo Amaro.

A reforma agrária é uma das bandeiras prioritárias do MLT

“Temos informações extra-oficiais de que o proprietário estaria interessado em receber indenização e desapropriar a fazenda para fins de reforma agrária. Nossa intenção não é tomar nada de ninguém, nem destruir nada, mas, antes, preservar e cuidar bem, até porque não deixa de ser uma benfeitoria para nós mesmos”, diz o coordenador estadual do MLT, Ademir Ferreira de Souza.

Os sem-terra revelam que estão dispostos a esperar algum tipo de manifestação do proprietário da terra. Ademir diz que a extensão da fazenda se amolda aos pré-requisitos do Incra para a reforma agrária, com módulos a partir de 200 hectares para a região do Litoral.

“O objetivo da gente é, em primeiro lugar, ter um chãozinho para morar e, se puder, ter terra para plantar e sobreviver. Nossa intenção é esperar já as primeiras chuvas de março para plantar alguma coisa, milho, feijão”, afirma. Segundo Ademir, o MLT incentiva o trabalho coletivo, em mutirão, mas deixa os integrantes livres para atuarem de forma individual.

Portal CTB com informações das agências

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.